Contabilidade

Gestão financeira para PJ: o que você precisa saber

14 jun 2019

Por: Vitor Torres

Embora ter um emprego com carteira assinada ainda seja visto como o padrão no Brasil, cresce o número de profissionais que atuam como pessoas jurídicas em empresas.

Se você trabalha ou pensa em trabalhar como PJ, já deve ter se deparado com uma série de dúvidas sobre a gestão financeira desse regime de contratação como: quanto ganha um profissional da sua área? Quais são os impostos que precisa pagar? Como separar as finanças pessoais das profissionais?

Mesmo que a prestação de serviços não ofereça os mesmos direitos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), ela permite que você se dedique à sua carreira — atendendo mais de uma empresa —, monte a sua própria carga horária, tenha uma remuneração mais vantajosa, entre outros pontos positivos.

Quer saber mais sobre como fazer gestão financeira para PJ? Confira as nossas dicas!

Qual é o objetivo da gestão financeira de um PJ?

A gestão financeira para PJ tem como objetivo potencializar ganhos e não apenas pagar contas. É preciso agir, como o nome bem indica, como um gestor, mesmo que você não pretenda ser um empresário.

É preciso ir além de evitar dívidas e manter os boletos em dia: explorar potenciais ganhos, diagnosticar riscos e traçar projeções a fim de concretizar planos para sua vida pessoal e profissional – tudo isso sem deixar de lado as obrigações que um CNPJ carrega.

Qual a importância da gestão financeira para PJ recém-saído da CLT?

Para quem está habituado à CLT, o regime PJ pode causar certa apreensão. Afinal, a carteira assinada garante um 13º salário, dinheiro todo mês, entre outros benefícios.

Nesse caso, a gestão financeira, aliada à uma boa contabilidade, torna-se ainda mais importante, pois garante que as obrigações fiscais sejam cumpridos dentro do prazo, sem perder a estabilidade à qual o recém-saído da CLT já está acostumado.

Como fazer a gestão financeira para PJ?

Separe PF e PJ

O primeiro passo para uma boa gestão financeira, independente do tamanho ou complexidade do seu CNPJ, é separar os ganhos e as despesas de sua pessoa física e jurídica.

Você, como PF, tem suas obrigações mensais como aluguel, internet e alimentação. Já sua PJ terá os recebimentos dos clientes, pagamentos de contador, impostos, taxas, entre outros.

Quando as contas se confundem, a chance de perder o controle, atrasar pagamentos e poupar menos dinheiro no final do mês é muito maior.

Para iniciar a separação de suas finanças PF e PJ, você precisa responder três perguntas básicas.

  • Qual é o seu faturamento mensal, em média?
  • Qual é o custo mensal das suas operações, aproximadamente?
  • Qual é o custo mensal na sua vida pessoal, em média?

Emita Nota Fiscal

A emissão de notas fiscais é uma obrigação para Pessoas Jurídicas e deve ser feita para todo serviço prestado para outra empresa.

A grande vantagem para o profissional em emitir notas está em agir de acordo com a lei, já que é uma das formas do governo verificar se a tributação do seu serviço está correta. Além disso, elas facilitam o controle de suas finanças e do que será pago no Imposto de Renda.

Fique atento aos impostos

Para manter seu CNPJ dentro da lei, não há como fugir dos tributos. Por isso, você e seu contador devem manter um controle rígido a fim de que nenhum pagamento seja feito com atraso.

As multas e juros que incidem sobre esses impostos significam desperdício de dinheiro e podem tornar seus problemas financeiros uma verdadeira bola de neve. Não deixe que suas finanças cheguem nesse estado!

Outro ponto importante aqui é se certificar de que está pagando os impostos certos. Para isso, seu contador deve analisar seu regime tributário e os CNAEs escolhidos.

Faça o controle de entradas e saídas

Qualquer que seja o seu modelo de gestão financeira, você precisa entender quais são as contas a pagar e receber, pois é impossível fazer projeções para o seu trabalho, e, até mesmo, para sua vida pessoal sem essas informações.

Despesas fixas, como água e aluguel, devem ser anotadas, pois elas não deixam de chegar e são essenciais. As variáveis, como eventuais compras de equipamentos, gastos com combustível e energia elétrica também devem entrar na conta – especialmente se em seu contrato de prestação de serviço estiver previsto fazer home office.

O objetivo aqui é controlar todas as suas movimentações financeiras, tanto de entrada quanto de saída para entender quanto você precisa ganhar. Isso deve ser feito periodicamente — você pode fazê-lo semanal, quinzenal ou mensalmente, de modo que identifique, em tempo hábil, quanto precisa ganhar e quanto precisa economizar.

Gerencie seus contratos

Como PJ, você também deve fazer uma boa gestão de contratos. Afinal, as empresas para as quais você presta serviços são sua fonte de renda e a manutenção do relacionamento com elas é o que garante a saúde financeira. Portanto, fazer networking, respeitar os prazos de entregas e buscar aprimoramento contínuo são requisitos importantes para você prosperar.

Tenha em mente que, para a divulgação do trabalho de um PJ, poucas ações funcionam tão bem quanto a propaganda “boca a boca”. Deixe seus contratantes satisfeitos: assim, eles mantêm o fluxo de contratos e divulgam seus serviços para parceiros.

Alimente a sua aposentadoria

Embora seja provável que você fará mais dinheiro como PJ, é preciso assegurar qualidade de vida para o seu futuro.

O pró-labore, que engloba a contribuição previdenciária, é obrigatório para todos os regimes tributários, ou seja, de certa forma, você continua a contribuir mensalmente com a sua aposentadoria do INSS. Vamos falar mais sobre isso a seguir.

Ainda assim, um investimento que incremente o valor de sua aposentadoria é muito bem-vindo. Por exemplo, você pode separar cerca de 8% do que ganha mensalmente para aplicar em um fundo de previdência privada.

O que é o pró-labore?

O pró-labore é o salário que o sócio-administrador do CNPJ deve receber mensalmente, a partir do momento que o negócio começa a ter faturamento.

A lei não especifica um valor, cabendo a você e seu contador determiná-lo. A única regra é que ele não pode ser inferior ao salário mínimo vigente.

Vale lembrar que a retirada de pró-labore mensal não deve ser confundida com a distribuição de lucros da empresa que acontece ao final de cada ano, com o fechamento do balanço patrimonial pela contabilidade.

A dúvida que sempre fica sobre esse assunto é se há obrigatoriedade dos sócios administradores retirarem o pró-labore. A resposta é sim, a retirada é obrigatória!

Como posso melhorar minha gestão financeira como PJ?

Agora que você já conhece alguns conceitos básicos para o gerenciamento das suas finanças, está na hora de aprender como colocá-los em prática.

Faça um planejamento

Como já dissemos, a gestão financeira para PJ aborda uma visão muito mais estratégica. Por isso, é preciso planejar e direcionar suas ações. Defina claramente quais são os seus objetivos com o seu trabalho e estipule metas para que se concretizem.

Você precisará fazer um curso? Essas tarefas dependem da contratação de alguém ou da aquisição de algum equipamento? Quanto e quando será necessário investir? O que se espera receber em cada etapa? Reflita periodicamente sobre seus planos.

Boa parte da gestão financeira é sobre organização e entender os seus objetivos.

Utilize a tecnologia

Felizmente, a tecnologia pode ajudar oferecendo uma série de recursos que otimizam as tarefas do seu dia a dia. Essas ferramentas permitem, por exemplo, cuidar da sua contabilidade de forma simples e prática. E também há palataformas de gestão financeira como da startup Celero, por exemplo,

__Os serviços de contabilidade online permitem que todas essas tarefas contábeis que indicamos aqui sejam feitas com facilidade e ótimo custo-benefício. __

Por que contratar uma contabilidade online?

O apoio de um serviço de contabilidade online é um passo importante para que as operações de uma Pessoa Jurídica ocorram dentro da legalidade. Além disso, essa tecnologia permite que você ganhe mais tempo para se dedicar ao seu trabalho e vida pessoal já que automatiza as obrigações que um PJ deve cumprir (como a emissão de NF-e, por exemplo).

Por mais que na prática os conceitos sejam bem menos complicados do que parecem, contar com a tecnologia torna tudo mais fácil.

Dar a devida importância à sua vida financeira é uma das etapas que fazem toda a diferença para se dar bem como PJ.

Se você gostou destas dicas e está considerando migrar para a prestação de serviço com CNPJ ou já atua dessa forma, que tal comparar quanto você precisa ganhar trabalhando com carteira registrada, CNPJ ou como autônomo? Baixe nossa calculadora e descubra!

Vitor Torres

Vitor Torres

Vitor Torres é fundador da Contabilizei (o jeito mais fácil e econômico de realizar contabilidade), empreendedor e investidor de startups.